Correlação não implica em causalidade

Todos conhecemos alguém, fanático torcedor, que associe o local onde está, com quem está assistindo um jogo, ou até mesmo a roupa íntima que está vestindo com resultados do seu time do coração. Para piorar, muitas vezes, o histórico parece corroborar com esse tipo de crença. Não é mesmo? Evidentemente, para desgosto de alguns, o mais provável é que tudo seja mera coincidência.

Não é raro ignorarmos que correlação não implica em causalidade. Ou seja, não é porque dois eventos aparentemente ocorram sempre juntos que um seja o causador do outro. As vezes, a causa é um terceiro evento, não analisado, ou, ainda, as ocorrências simultâneas podem não ter qualquer causalidade comum, mesmo que indireta.

Nas empresas a confusão entre correlação e causalidade sempre ocorreu. É comum “especialistas”, em suas análises de causa raíz, com utilidade cada vez mais questionável, cometerem esse erro recorrentemente. Além disso, há quem use desse “erro comum” para criar argumentos falaciosos.

Com a proliferação da adoção amadora de algoritmos de análise de dados, sobretudo os que tratam de regressão e correlação, tememos que muitos disparates causados por pura incompetência sejam “travestidos” com racionalidade acadêmica. Isso fica bem indicado nas hilárias correlações identificadas no site Spurious Correlations.

Infelizmente, situações práticas, nada hilárias, tem ficado evidenciadas já “em plena produção”. Além disso,  há potencial para que esse problema se amplifique.

É necessário investir em formação e constante revisão dos métodos de análise adotados na empresa para evitar a propagação de enganos. Estamos na “era dos modelos de negócios exponenciais” habilitados pelo “desprendimento” da informação como fonte de receita. As oportunidades são grandes demais para serem ignoradas ou ameaçadas por simples despreparo.

Em tempos em que se fala tanto em culturas “data-driven”, é papel do CTO garantir que a companhia desenvolva as capacidades e competências para não ser “data-stupid”.

Em resumo

O problema
O uso ingênuo de análise de dados faz com que, frequentemente, correlações sejam confundidas com causalidades. O problema se amplifica com a cultura “data-driven” e o uso incorreto de algoritmos e gera, além de argumentos falaciosos, prejuízos reais.
A recomendação
É necessário, mais do que nunca, desenvolver competências e capacidades nas companhias para que elas não cometam erros grosseiros de simplificação ao analisar dados, também para que não sejam susceptíveis a argumentos falaciosos.
Os benefícios
O uso correto das informações habilita até mesmo a concepção de modelos de negócios exponenciais. A inteligência “data-driven” é uma excelente ferramenta, mas só quando realmente se sabe o que se está fazendo.

Compartilhe este insight:

Comentários

Participe deixando seu comentário sobre este artigo a seguir:

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

AUTOR

Elemar Júnior
Fundador e CEO da EximiaCo atua como tech trusted advisor ajudando empresas a gerar mais resultados através da tecnologia.

SOLUÇÕES EXIMIACO

ESTRATÉGIA & EXECUÇÃO EM TI

Simplificamos, potencializamos 
aceleramos resultados usando a tecnologia do jeito certo.

COMO PODEMOS LHE AJUDAR?

Vamos marcar uma conversa para que possamos entender melhor sua situação e juntos avaliar de que forma a tecnologia pode trazer mais resultados para o seu negócio.

COMO PODEMOS LHE AJUDAR?

Vamos marcar uma conversa para que possamos entender melhor sua situação e juntos avaliar de que forma a tecnologia pode trazer mais resultados para o seu negócio.

+55 51 3049-7890 |  contato@eximia.co

0
Queremos saber a sua opinião, deixe seu comentáriox
()
x

Tenho interesse em conversar

Se você está querendo gerar resultados através da tecnologia, preencha este formulário que um de nossos consultores entrará em contato com você:

O seu insight foi excluído com sucesso!

O seu insight foi excluído e não está mais disponível.

O seu insight foi salvo com sucesso!

Ele está na fila de espera, aguardando ser revisado para ter sua publicação programada.